Orgulho das Heranças (malditas): Um pouco de mim, antes de mim

Paulo Gabriel Soledade Nacif

Meus pais, Marlene e Levino, se desdobram em João, Maria, Gabriel e Marcionília. E cada um se desdobra em mais dois e em mais quatro e, cada um deles, em muitos outros.

Maria Teixeira (1903-1985), nasceu em Bom Conselho, hoje Cícero Dantas, nordeste da Bahia, de um primeiro casamento de Veridiano Bispo Teixeira e dona Maria. Veridiano, sanfoneiro respeitado, largou a família e foi tocando sua sanfona até chegar em Itabuna, no sul da Bahia. Lá constituiu uma nova família. Minha bisavó, deixada sozinha, “morreu de desgosto” e minha avó se tornou, ainda menina, chefe daquela família de crianças, tomando conta de uma roça no meio da caatinga do nordeste da Bahia.

Certa feita o bando de Lampião, acompanhado de alguns parceiros da região, passou por aquela roça e todos os irmãos, sob o comando de minha avó, foram obrigados a servir comida para toda a tropa – como ela mesma contava, todos tremendo de medo. Após o serviço, Lampião comentou que além de ajeitada ela trabalhava bem e mandou que ela pegasse as roupas para seguir com o bando. Graças à intervenção dos homens do lugar que acompanhavam o bando e argumentaram que ela era o arrimo daquela família, o Coronel Virgulino resolveu deixar para levá-la em outra ocasião. Depois desse susto a minha avó seguiu os passos do pai e foi para Itabuna, com os irmãos, deixando para trás as terras da família, griladas rapidamente por algum poderoso do lugar.

Conta-se na família que essa minha avó descendia diretamente do povo de Antônio Conselheiro. A aparência dela lembrava muito aqueles Conselheiristas que sobreviveram ao massacre do Estado Brasileiro contra Canudos e, considerando que todas as referências que eu tenho dela são em torno de ladainhas, rezas e igrejas, é muito provável que isso seja verdade. Lamento muito não ter aproveitado os anos que convivi com ela para detalhar todas essas histórias.

João Soledade (1885-1981) nasceu em Cachoeira no Recôncavo e ainda adolescente mudou para Salvador, indo depois tentar a vida em Itabuna. Lá se tornou um fazendeiro e depois faliu. Lembro dele, ao final da vida, em delírios, se queixando de que a riqueza dele tinha sido desviada por meus tios, uma vez que ele não concebia ter chegado pobre ao fim da vida.

Não conheci meus avós paternos. Meu avô faleceu bem antes do meu nascimento e a minha avó pouco depois. Apesar da distância da família paterna, aos poucos fui recompondo um pouco das histórias deles.

Marcionília, era filha de ex-escravos e herdou desses meus bisavôs uma fazenda em Coaraci. Negra, tranquila, sábia, muito alta e magra – são essas características dela que me chegam. Ela se casou com Gabriel Nacif, um libanês que como tantos outros “turcos” imigraram para o sul da Bahia nas primeiras décadas do século XX.

A história do casamento de meus avós paternos poderia ser contada num livro de Jorge Amado, como “A descoberta da América pelos Turcos”, mas nada indica que minha avó tinha o aziúme de Adma, centro dos esponsais. No posfácio desse livro de Amado, José Saramago lembra que “a generalizada e estereotipada visão de que o Brasil seria reduzível à soma mecânica das populações brancas, negras, mulatas e índias… recebeu, com a obra de Jorge Amado, o mais solene e ao mesmo tempo aprazível desmentido. ”

Ouvi de membros da minha família paterna: “É claro que seu avô deu o golpe do baú. Ele era lindo! E sua avó era uma negra, filha de escravos”.  Para quem busca entender o sentido profundamente racista da sociedade brasileira, aconselho prestar atenção nas famílias multirraciais, tão comum nessas terras. O racismo cordial está presente de maneira explícita e permanente, entre irmãos, primos, tios e compadres.

Marcionília me outorgou a certeza dos meus vínculos não apenas diretos, mas, principalmente, imediatos com os negros escravizados e com a África. Graças a ela construí uma eterna ironia às pompas da sociedade do cacau.  Gabriel Nacif me deixou como herança todo o  oriente médio e os seus mistérios que se tornam ainda maiores quando percebidos a partir do meu lugar – a periferia do Novo Mundo. O estímulo a entender o orientalismo, via Edward W. Said serviu não apenas para perceber os consensos que permitem e legitimam as atrocidades da Europa e da EUA no Oriente Médio, mas, também, entender como modelos similares são construídos em relação a África, à América e aos indígenas.

Sempre tive interesse pela história dos que vieram antes de mim. Lamento saber tão pouco sobre eles. Assim também acontecerá comigo no futuro. Chegarei de algum modo aos que me seguirem, no início de maneira mais intensa e depois de forma cada vez mais difusa, sendo misturado a tantos outros, até ser completamente esquecido. Mas de algum modo estarei sempre lá, como os meus antepassados estão hoje em mim.

É compreensível que assim seja. A paisagem da existência vai sendo regulada por diferentes zoom in e zoom out de acordo as distâncias focais estabelecidas pelo incontornável comando do espaço/tempo. Apesar da variação do foco, acredito, nos mantemos de alguma forma conectados na transcendência misteriosa do pulso de vida.

Essas pessoas compuseram o meu ser de maneira densa, profunda, definitiva. Conhecer essas histórias e suas lutas me serviu de grande estímulo para vencer desafios, preconceitos e construir uma forma de me perceber no mundo.

Biologicamente elas estão nas minhas células, nos meus cromossomos, nos meus traços, no meu nariz, estiveram no meu câncer.

Emocionalmente contribuem com a minha forma de pensar o mundo. Não posso fugir nem mesmo às maldições que esses povos da minha ascendência carregam sobre a terra.  De vários ancestrais recebi a maldição de Noé sobre Canaã e assim tenho que resistir a todo o tempo ao racismo que a cor da minha pele desperta. Também, não poucas vezes percebi um outro racismo:  Herdei a maldição que o ocidente lançou contra os árabes e ela já me chegou de muitas formas, inclusive nas vezes em que fui quase barrado em aeroportos de alguns países simplesmente pelo meu sobrenome “Nacif”. Num dos casos, lembro de alguém ter lembrando: “o seu nariz te denuncia”.

Quando eu vejo a história desses meus avós penso o quanto excepcional é a minha existência.  É como se quatro pessoas, uma em cada extremidade de uma grande praça (norte, sul, leste e oeste), e sem saber o que os outros estavam fazendo, lançassem pedras para cima e quatro se tocassem em cheio no ar. Talvez mais do que pedras jogadas numa praça tratam-se de quatro meteoros vindo dos confins do universo que caíram ao mesmo tempo no mesmo lugar da terra e me geraram.

Desde sempre me apaixonei por essas histórias e tenho profundo orgulho pelas marcas no meu corpo e na minha alma deixadas por essas pessoas. Esse conhecimento gera forças  para enfrentar os astros, os deuses, os dogmas, os profetas e, assim, buscar transformar todas as maldições em bênçãos e orgulho que a existência a partir de João, Maria, Gabriel e Marcionília, verdadeiramente, representa.

Sucessão da UFRB: Embriaguez Hegemônica, Luiz Flávio Godinho

Luiz Flávio Godinho (Professor CAHL/UFRB)

Consenso progressista número 1: A não nomeação pelo Governo Bolsonaro/MEC da candidata Georgina Gonçalves, eleita na Consulta e na lista tríplice emanada do Consuni da UFRB é uma contundente violação à autonomia universitária garantida na Constituição Federal de 1988, em seu artigo 207.

Consenso progressista número 2: O Governo Bolsonaro e o MEC feriram a democracia ao não respeitar a tradição de posse ao primeiro da lista (isso já ocorreu 3 vezes em 35 anos, em Instituições Federais Baianas), prática iniciada nos Governos de Lula/Dilma. Ademais, mesmo dentro da legalidade da decisão acerca da nomeação do Prof. Fábio Josué, terceiro nome da lista, a famigerada lei da lista tríplice nunca foi cessada por esses dois governos de cunho progressista.

Consenso progressista número três: Será que o Presidente fez uma escolha baseada no mix comportamental e político-cultural da misoginia, do racismo e do preconceito de gênero contra a Profa. Georgina? Esse discurso bolsonarista dos estigmas cruzados não foi fartamente verificável durante o período eleitoral e no decorrer do mandato presidencial? Pelo menos foi nessa forma interrogativa que vi em todas as notas.
Consenso Progressista número 4: o Reitor empossado carece temporariamente de legitimidade, mas não de legalidade, já que a maioria silenciosa prefere um docente do campo progressista como autoridade máxima da UFRB do que um interventor imposto pelo MEC, não é?

Por fim, a questão da apatia da comunidade interna e da reação tímida da sociedade civil contra a violência política do Governo Bolsonaro contra a UFRB! Não seria simplificação do fenômeno creditar esses comportamentos dos segmentos internos e externos a um mero recesso acadêmico? Não teríamos uma mistura de embriaguez hegemônica, comunidade interna e suas associações historicamente tuteladas e ou adormecidas no tocante às necessárias autodeterminações, soberanias e independências das Administrações Centrais da UFRB no devir histórico? É contribuição de Karl Marx, talvez um alerta, de que o estudo dos fenômenos, situações e experiências sociais precisam de um trato radical, não na acepção do senso comum desse significado, qual seja, de um exame sectário ou parcial do todo social, com suas inerentes contradições e dialéticas entre essência e aparência, muitas vezes intencionalmente negligenciadas na contenda política. Ser radical para o autor alemão é buscar a raiz dos problemas, em suma não simplificar os fenômenos cotejando apenas realidades aparentes, mas comprometidos também em desvelar a essência e o concreto da vida social. Refiro-me ao pouco cuidado analítico que os fatores endógenos da instituição receberam nas notas, manifestos e tentativas de explicação que se desenvolveram em todos os textos tornados públicos sobre a nomeação do terceiro colocado na lista do Consuni para Reitor da UFRB. O futuro nos mostrará que somente o empoderamento político não tutelado dos segmentos internos, a luta contra a controladora lei da lista tríplice, o fim de uma mentalidade institucionalizada e de certos paroquialismos, personalismos e patrimonialismos permitirão a superação de uma cultura política que nos arrasta para viver em um contínuo “moinho de gastar pessoas”, projetos e fortalecimento da região. Em suma, a Democracia deve combinar com emancipação coletiva que seja capaz de alterar as condições para que a UFRB seja emancipatória, pública, gratuita, socialmente referenciada, diversa, laica e comprometida com a subsunção real e não apenas formal com princípios transformadores. A luta é feito em uma dialética entre a memória, o esquecimento e o silêncio.

Publicado originalmente em: https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=2232331033502525&id=100001769518349

Ao Reitor Fábio Josué e à comunidade da UFRB

“Acho que uma das coisas mais sinistras da história da civilização ocidental é o famoso dito atribuído a Benjamim Franklin, ‘tempo é dinheiro’. Isso é uma monstruosidade. Tempo não é dinheiro. Tempo é o tecido da nossa vida, é esse minuto que está passando. Daqui a 10 minutos eu estou mais velho, daqui a 20 minutos eu estou mais próximo da morte. Portanto, eu tenho direito a esse tempo. Esse tempo pertence a meus afetos. É para amar a mulher que escolhi, para ser amado por ela. Para conviver com meus amigos, para ler Machado de Assis. Isso é o tempo”

Antonio Candido

 

Considero o meu dever exortar a Comunidade Acadêmica da UFRB a se unir em torno da liderança do Professor Fábio Josué. Não há dúvidas de que a conjuntura desenha um hercúleo desafio ao nosso professor, mas, ao mesmo tempo, sou testemunha da sua capacidade técnica e política. Tive a oportunidade de conhecer  Fábio ainda nos eventos que organizamos em prol da conquista da UFRB, nos primeiros anos desse século. Nessa época, Fábio já era um jovem professor universitário e, residindo em Amargosa, se integrou como poucos àquela campanha que para muitos era apenas um sonho. A descrença era razoável, o nosso Recôncavo, que reivindicava uma universidade desde 1822, já havia perdido as suas oportunidades históricas ao não aproveitar ciclos econômicos (como a cana de açúcar e o petróleo) ou ciclos de criação de instituições como aqueles que transformaram diversas instituições agrarias em universidades.  De fato, todas as regiões brasileiras com a importância estratégica do Recôncavo foram dotadas de uma rede de instituições, inclusive no campo educacional muito antes que a nossa. Nem mesmo a presença da primeira instituição de ensino superior em ciências agrárias da América do Sul foi suficiente para o desenho de outra trajetória – ao contrário, a nossa Escola de Agronomia foi um dos poucos casos de instituições de ensino agrário absorvida por outra cuja sede era a capital do Estado.

A UFRB é a maior universidade federal dentre aquelas criadas no ciclo de expansão do REUNI – Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais, que durou de 2005 a 2016. Atualmente a UFRB conta cerca de doze mil estudantes de graduação e pós-graduação e 910 docentes, sendo 61% doutores e 30% mestres. O quadro técnico da universidade se completa com 704 técnico-administrativos. Possui hoje 55 cursos de graduação nas diferentes áreas do conhecimento. Adicionalmente, na dimensão da pós-graduação, essa universidade possui 17 cursos de mestrado e doutorado, 11 cursos de especializações e 02 residências. Dentre os programas de pós-graduação stricto sensu, 04 são da área de educação e mais 04 cursos desse campo são pós-graduações lato-sensu.

A UFRB possui IGC 4,0 (Índice Geral de Cursos – Graduação e pós-graduação), na escala de 0 a 5, como indicador do INEP/MEC. Em 2013 a instituição recebeu o 11º Prêmio Destaque do Ano na Iniciação Científica e Tecnológica, categoria Mérito Institucional 2013, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Vale dizer, esta categoria premia a instituição participante do programa de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC) com o maior índice de egressos titulados na pós-graduação.

O sacrifício que a nossa geração fez para construir esse legado, hoje entregue à “Geração Fábio Josué” foi fundamental para que o Governo Federal não tivesse coragem de ultrapassar alguns limites legais que destruiriam a nossa autonomia e comprometeriam profundamente o nosso futuro como universidade.

O Reitor Fábio Josué ao representar a solução do impasse às ameaças que pairavam sobre a nossa autonomia assume como um raro consenso de toda comunidade acadêmica e da comunidade baiana.

Não tenho dúvidas de que ele está preparado para os imensos desafios que enfrentará nos próximos anos. E também não tenho dúvidas que, ao final, entregará uma instituição ainda mais sólida.

A Fábio, meu Magnífico Reitor, aconselho manter sempre por perto alguma poesia, ela é fundamental para lembrar que para além de toda a burocracia um Reitor deve ser sempre um farol civilizatório. Como sugestão para esses primeiros dias indico, fortemente o poema Invictus, de William Ernest Henley: “…Não importa quão estreita a passagem, Quantas punições ainda sofrerei, Sou o senhor do meu destino, E o condutor da minha alma.”

 

 

A UFRB e o “leite derramado” – Luiz Nova

Luiz Nova, Professor do CAHL/UFRB

 

Está consumada politicamente a não indicação da primeira colocada na consulta à comunidade universitária da UFRB e na lista do CONSUNI, professora Georgina Gonçalves. Está consumada, porque as várias referências, lideranças da condução do processo de escolha para o qual a comunidade foi convidada, pronunciaram o seu encerramento.

Como disse desde o início deste processo, a dificuldade que me tocava, não se atinha ao nome do campo hegemônico. O campo se define por si só. No entanto, como afirmei, entendia que a comunidade estaria desarmada frente a “surpresas” de um governo que não surpreende. Ele é o que sempre anunciou ser, antes mesmo de sê-lo.

Mas passado não é para ficar lamentando, deve nos ensinar. O contexto do presente é uma determinação a ser entendida. Por isto, começo a falar da nomeação do terceiro da lista. E, neste sentido, é importante o que ocorreu e está registrado em vídeo. A professora Georgina Gonçalves visitou o professor Fábio Josué e, dignamente, se colocou à disposição para contribuir com o reitorado a ser conduzido pelo colega.

Sobre isso, emito aqui uma opinião pessoal, como integrante que sou da comunidade universitária da UFRB. Reafirmo, como disse antes, ser uma opinião baseada em uma compreensão política na qual a pessoa não pode ser, em geral, a referência absoluta para sua existência. Nestes casos, o indivíduo complementa, mas não define o contexto onde as coisas acontecem.

Começo então a partir do final do processo de Consulta à Comunidade/indicação do professor Fábio Josué. A pretensão é que a indicação de um membro da lista do CONSUNI, do mesmo campo político, não naturalize a agressão à democracia e autonomia universitária, já tão ameaçada.

A nomeação do professor Fábio Josué não muda o perfil político do reitorado da UFRB, como sabemos. O professor é parte do campo político que dirigiu a UFRB, até então. É um campo progressista, comprometido com a Universidade Pública. Mas não podemos esquecer que o processo de construção de nossa UNIVERSIDADE PÚBLICA não é um fato dado, um processo concluído. O governo atual revela isto sempre.

Assim, o vazio político com que a UFRB encerra esta participação não pode ser naturalizado. O diferencial do processo de escolha de Reitor está na participação democrática da comunidade, ainda que regulada de forma polêmica.

Se fomos chamados a escolher, por que o caminho frente a decisão do governo não teve a participação da comunidade? É mais que urgente que o campo progressista conclua sobre as limitações reais da democracia representativa. São limitações objetivas que transformam o conjunto em simples legitimação da autonomia das lideranças.

Desta forma perdem todos, perde a democracia, facilita o autoritarismo. Desde Hitler, os “bufões da cervejaria” chegam ao poder através do voto, também. A democracia representativa tem que ser entendida como parte da construção democrática, não como coadjuvante de legitimação institucional.

Mas não há que “chorar o leite derramado”. Nisto as referências deste processo estão corretas e o professor Fábio Josué, também, ao aceitar.

Lembremos que isto é realmente necessário dizer. A cultura que buscamos construir, antes da efetiva democracia universitária, prevê que a indicação da lista tríplice, pelos Conselhos Superiores havia de incorporar a garantia da dimensão ético-política da democracia.

O mais votado tinha a garantia de que os outros dois integrantes da lista, se nomeados, renunciariam. Assim, estava garantido que o mais votado fosse a única opção e nomeado.

Isto precisa ficar claro se apontamos para a luta democrática e o decorrente aprimoramento institucional. O próprio professor Fábio Josué precisa estar livre desta demanda, com a autorização da comunidade.

Devemos deixar claro que a pretensão é contribuir para o estabelecimento de um reitorado forte em seus compromissos com a UNIVERSIDADE PÚBLICA e a DEMOCRACIA como uma parte inalienável de sua construção.

Reafirmo aqui o que, individualmente, tem sido dito: O professor Fábio Josué também me representa. No entanto, eu não sou a comunidade.

Esta, em minha opinião, deve referendar a posição e dignidade da professora Georgina Gonçalves e, pelo menos no CAHL, recebê-la em ato político de reafirmação da democracia, inclusive com a presença do professor Fábio Josué.

Nós sabemos que reconhecer a correlação de forças existente é parte importante da luta democrática. Mas também sabemos ou devemos saber que, reconhecer uma correlação de forças desfavorável, não significa perda de identidade e/ou negação de compromissos democráticos de afirmação do espaço público.

UMA UFRB FORTE, UNIDA E DEMOCRÁTICA É UM DESAFIO MAIS QUE PRESENTE, INCONTORNÁVEL

…..

TODO APOIO AO REITOR FÁBIO JOSUÉ

Escrevo sob a emoção da indicação do nome de Fábio Josué para o cargo de reitor da UFRB. Gostaria muito de estar parabenizando a minha querida amiga Georgina, cuja inegável liderança e maturidade acadêmica farão dela, em qualquer tempo, uma Reitora magnífica.

Nesse momento precisamos falar do Magnífico Reitor Fábio Josué. Intelectual com uma formação sólida, um raro humanista, alinhado com as lutas do seu tempo e com experiência que o coloca a altura do cargo. Devemos apoiar integralmente o seu Reitorado. Foi a melhor indicação que o Presidente Bolsonaro fez nesses sete meses de Governo e, ao que tudo indica, esse será, disparado, o melhor lance do seu mandato.

É evidente que o ideal seria a escolha de Georgina, primeira colocada no Colégio Eleitoral, mas vamos lembrar que só os Presidentes Lula e Dilma escolheram sempre os primeiros da lista. Já estamos acostumados a navegar nesses mares revoltos. E sem alguém como Fábio Josué a nos conduzir!

Ontem eu escrevi nas redes sociais em resposta aos que insistiam em rechaçar qualquer nome da lista tríplice que não fosse a professora Georgina:

“Tá legal, eu aceito o argumento…mas faça como o velho marinheiro que durante o nevoeiro leva o barco devagar”. Eu sei que posso arder na fogueira mas mesmo defendendo o nome de Georgina e sabedor da sua legitimidade não posso deixar de observar e me encantar com o fato de que o Conselho Universitário da UFRB, sob a liderança do Reitor Sílvio Sóglia e da própria Georgina Gonçalves foi brilhante, raro, estupendo, se mostrou um espaço a altura do momento histórico e construiu uma lista tríplice que deu um xeque-mate no Governo: Georgina, Tatiana e Fábio. O Conselho, com legitimidade, autonomia e legalidade, transformou uma camisa de força em asas de liberdade. Georgina Reitora, sempre!!!, mas Tatiana e Fábio representariam, nas atuais circunstâncias, também a Vitória do Conselho e da comunidade da UFRB! A indicação de um deles – Georgina, Tatiana e Fábio, é inexorável, não por uma concessão do Governo, mas por uma engenharia institucional brilhante que o Consuni engendrou, colocando os amigos da ditadura do tamanho nanico que eles terão na história da nossa UFRB!”

Além de tudo, vamos combinar: Um Reitor da nossa querida Amargosa sempre terá seus encantos.

Um bom exemplo é Pedro Calmon que nasceu em Amargosa, em 23 de dezembro de 1902. Foi escritor, jurista, professor, historiador e político. Membro da Academia Brasileira de Letras e várias outras instituições acadêmicas. Em 1939, tornou-se catedrático da Faculdade Nacional de Direito da Universidade do Brasil e reitor, de 1949 a 1966. Durante o regime militar proibiu a entrada da polícia militar na Universidade do Brasil, dizendo: “aqui, esses beleguins de tropa militar não entram, porque entrar na Universidade só através de vestibular“. Acho que não contaram essa história ao Presidente Bolsonaro…

Ocidentalismo maligno

No centro desse debate está hoje a democracia e a sua identificação com a civilização ocidental, em particular, com o protestantismo anglo-saxónico. É o que faz Huntington ao considerar o Islão incompatível com democracia, e o que fazem muitos ao considerarem os africanos condenados às ditaduras. Esquecem-se, todavia, de que foram africanos negros, como Nelson Mandela, que conquistaram a democracia, num país onde dominavam as teorias da supremacia branca.
Foram amplamente expostos, não só os erros analíticos de Huntington, como o perigo mortífero das suas teses. Apesar da pertinência das críticas, a teoria de Huntington banalizou-se em sectores das elites políticas e intelectuais na busca de um novo paradigma, para sustentar as opções estratégicas no Mundo no pós-Guerra Fria. A guerra do Iraque fez parte da “estratégia civilizadora” dos neoconservadores de democratização pela força. Donald Trump chegou ao poder com o discurso huntingtoniano sobre a identidade americana ameaçada pelos “não-brancos”, nomeadamente os latinos.
Para Alain Finkielkraut, hoje membro da Academia Francesa, autor de Identidade Triste, não são os latinos a principal ameaça, mas os muçulmanos, como defendeu o filósofo Renaud Camus, autor de A Grande Substituição e apoiante de Le Pen. Para ambos, a identidade francesa e os valores da República estão ameaçados pela “imigração de povoamento”, porque os imigrantes não-europeus, nomeadamente os muçulmanos, são “inassimiláveis”, não descendem dos “autóctones”, ou seja, dos gauleses que Finkielkraut associa “à paixão pelas igrejas românicas” e à “delicadeza do vocabulário” de Montaigne. Argumento absurdo quando pensamos, designadamente, em Amin Maalouf, Marie NDiaye ou em Leila Slimani, todos grandes escritores franceses, prémios Goncourt, descendentes de emigrantes.

Na língua portuguesa, o exemplo mais significativo de um intelectual de prestígio que se colocou ao serviço de um projeto de superioridade civilizacional talvez seja o do sociólogo brasileiro Gilberto Freyre. A sua doutrina do luso-tropicalismo serviu para esconder a brutalidade da opressão racial, nas colónias portuguesas, e para criar o mito de que os portugueses não são racistas. Ainda hoje sofremos as suas consequências.

Em Portugal, talvez por não existir uma larga comunidade muçulmana, os alvos do racismo ocidentalista são os negros e os ciganos. Em todos os casos – latinos nos Estados Unidos, muçulmanos em França ou africanos em Portugal –, o que fazem os racistas é negar a muitos nacionais dos seus países, porque percebidos como bárbaros, a possibilidade de serem plenamente cidadãos. Tentam congelar a cultura nacional, impedindo que enriqueça, como no passado, com o contributo de outras culturas.

Os intelectuais da banalização do racismo dão voz a medos, a preconceitos e à ignorância que já existiam na sociedade. Renegam assim o que deve ser a sua função social, a de colocar a sua inteligência e saber ao serviço da verdade e da análise da complexidade das sociedades. Hoje, quando tantos são vítimas da vaga de populismo racista que atravessa a Europa e Trump lança uma campanha racista para ser reeleito, o que se espera dos intelectuais é que sejam generosos e solidários com os que sofrem. Não que os agridam com a violência da sua linguagem.

Entre nós houve quem tenha declarado não ter sido por acaso que os zulus não tenham escrito Romeu e Julieta, tal como Berlusconi referindo-se aos muçulmanos: “Porque é que ‘nós’ temos Mozart e Michelangelo e eles não?”. Vivi em Joanesburgo durante o Apartheid e não poucas vezes ouvi coisas semelhantes para justificar o regímen.

Aos que olham para os “outros” como bárbaros , é  bom lembrar o que escreveu Claude Levy Strauss, na sua obra Raça e História: “O bárbaro é, em primeiro lugar, o homem que crê na barbárie”.

Combater a banalização do racismo não é apenas defender os direitos humanos dos negros, dos ciganos ou dos muçulmanos. É combater a destruição da democracia pelos nacionalistas identitários, em suma, é defender a nossa liberdade.

Publicado originalmente em https://www.publico.pt/2019/07/24/mundo/comentario/ocidentalismo-maligno-1880947

 

 

A UFRB e a Democracia do Brasil

                       “…Vencereis porque tendes sobrada força bruta. Mas não convencereis porque para convencer há que persuadir. E para persuadir lhes falta algo que não tendes: razão e direito. Mas me parece inútil cogitar de que pensais na Espanha”  Reitor Miguel de Unamuno y Jugo ao general José Millán-Astray

O Estado de Direito no Brasil chega nessa última semana do mês de julho com a sua mais explícita ameaça desde a constituição de 1988. Sim!, sabemos que exemplos de desrespeitos ao Estado de Direito ocorrem a todo momento, mas sempre há uma desculpa, uma cortina de fumaça, uma tentativa de demonstrar que “as coisas não são bem assim”.

Ocorre que, constitucionalmente, a Presidência da República já deveria ter indicado a Reitora da UFRB desde o dia 15 de julho de 2019 (data do encerramento do mandato Reitor Silvio Sóglia)  e ainda não o fez. Demonstrando boa fé e tolerância prorrogamos essa espera para o dia 29 de julho (data do encerramento do mandato da Vice-Reitora Georgina Gonçalves) e ao que parece, teremos uma nova e definitiva decepção.

A lei 9.192 de 21 de dezembro de 1995 que regulamenta o processo de escolha dos dirigentes universitários não deixa dúvidas: o Reitor de universidade federal será nomeado pelo Presidente da República e escolhido entre professores dos dois níveis mais elevados da carreira ou que possuam título de doutor, cujos nomes figurem em listas tríplices organizadas pelo respectivo colegiado máximo da instituição. Adicionalmente, o Decreto 1.916/1996 que busca regulamentar essa Lei 9.192/1995 é explícito ao determinar que a lista para escolha e nomeação do Reitor será encaminhada ao Ministério da Educação até sessenta dias antes de findo o mandato do dirigente que estiver sendo substituído.

Desse modo não existe espaço para meio termo: Ou a Presidência da República escolhe um novo Reitor para a UFRB dentro da lista tríplice ou o Brasil sai explicitamente do Estado de Direito.

É evidente que poderia ter acontecido uma medida judicial que suspendesse a validade da lista tríplice, mas não houve! Esse foi o sonho acalentado por todos aqueles que vestem a fantasia de democratas mas não resistem e, na primeira oportunidade, revelam o desprezo pelo Estado de Direito e toda a fúria autoritária. É assim que surgem as cartas denunciando o processo de escolha do Reitor da UFRB ou as infindáveis e fracassadas iniciativas jurídicas. Essas pessoas não se tornaram defensores do estado de exceção agora – elas sempre foram rebentos da ditadura.

Ao contrário, por exemplo, da lista tríplice para a escolha do Procurador Geral da República, organizada por iniciativa da Associação Nacional dos Procuradores da República – ANPR, o processo legal de escolha para Reitor da Universidade estabelece oficialmente o caminho da lista tríplice. Torço para a escolha da professora Georgina Gonçalves, afinal, além de ter apoiado a sua eleição, considero que a escolha da candidatura preferida pela comunidade acadêmica é o melhor caminho para o necessário ambiente de liberdade criativa que deve existir na universidade. Mesmo discordando, ressalto, porém, que respeito aqueles que defendem a escolha dentro da lista tríplice sob o argumento de que esse caminho preserva o poder discricionário do Presidente da República que, num ambiente democrático, possui legitimidade para decidir após a manifestação da comunidade.

É hora de todos os democratas de direita, de esquerda ou de centro se reunirem em prol de uma saída para o impasse da escolha da nova Reitora da UFRB. Defendo que a escolha recaia sobre a professora Georgina, mas é incontornável para a nossa frágil democracia que isso ocorra, ao menos, para ficarmos no mínimo de razoabilidade, dentro da Lista Tríplice encaminhada tempestivamente pela universidade ao Ministério da Educação. Qualquer coisa fora desse campo fere de morte o Estado de Direito e entraremos num regime impossível de ser chamado de democracia.

A história de todo o Brasil depende do que acontecerá no Recôncavo. Mais uma vez!

 

 

 

 

 

OS CONSELHOS DE GILBERTO GIL NO RECÔNCAVO

Acho que o ano era 2007. Gilberto Gil visita Maragojipe e mais uma vez alguém me apresentou ao Ministro. Ele sorri e brinca: “Como esquecer daquele que tem a função mais importante do Brasil? Ele é reitor da Universidade do Recôncavo e precisa associar a física quântica com a ancestralidade mais profunda dessa terra!”.  De pronto  falei: “Ministro, calma, eu preciso de um tempo… ‘Pela onda luminosa, Leva o tempo de um raio, Tempo que levava Rosa, Pra aprumar o balaio, Quando sentia que o balaio ia escorregar'”. Fizemos, ao mesmo tempo, o gesto (rápido, sutil e intenso) de quem apruma um balaio na cabeça e Gil então deu uma grande risada  e me deu o melhor abraço que eu já recebi em toda a minha vida pública – aquele abraço!

Sempre que vejo o documentário sobre a visita do Ministro Gilberto Gil a Maragojipe  fico imaginando que nesse dia ele falou pensando nos desafios da  universidade que nascia daquele chão. Veja no filme: o discurso é todo voltado para a sabedoria e respeito ao conhecimento ancestral…

Interessante, eu não apareço em nenhum momento do vídeo. Ana Terra Vinhas, minha sobrinha querida que, envergonhada, me acompanhava,  aparece abraçada com Gil. Na época Aninha tinha uns onze anos e assistiu a tudo em profunda enlevação! O filme, com a sensibilidade de Antônio Pastori, termina com os dois abraçados!

No final do evento, quando nos dirigíamos para o almoço, Ana Terra se aproximou do Ministro e surpreendeu a todos quando falou algo um pouco inusitado para uma pré-adolescente: “Poxa Gil, hoje eu gostei de todos os seus discursos! Eu fiquei admirada com tudo que você falou. Muito bom!”. As pessoas olhavam para ela, surpresas com a ousadia daquele elogio. Gilberto Gil a abraçou e disse: “Que bom!!! Eu tento atingir corações jovens como o seu!”. E saíram abraçados!

“Tempo rei, ó, tempo rei, ó, tempo rei
Transformai as velhas formas do viver…”

Viva Gilberto Gil!!!